ÓLEO DE COPAÍBA

 

Informações técnicas - Referência: DA-O 11

Sobre Copaíba
A Copaíba (Copaifera sp), ou Copaibera, é uma árvore de grande porte da família Leguminosae encontrada em todo o Brasil. Na floresta é um local de tocaia para pequenos animais silvestres que se alimentam de seus frutos. A árvore, também chamada de Pau d'óleo, é facilmente encontrada na mata devido ao forte aroma de sua casca. Chamada de copaíva ou copahu pelos indígenas (do tupi: Kupa'iwa e Kupa'u, respectivamente), o óleo da copaíba era bastante utilizado entre os índios brasileiros quando os portugueses chegaram ao Brasil.

Tudo indica que o uso deste óleo veio da observação do comportamento de certos animais que, quando feridos, esfregavam-se nos troncos das copaibeiras. Os índios o utilizavam principalmente como cicratizante e no umbigo de recém-nascidos para evitar o mal-dos-sete-dias. Os guerreiros quando voltavam de suas lutas untavam o corpo com o óleo da copaíba e se deitavam sobre esteiras suspensas e aquecidas para curar eventuais ferimentos.

Propriedades cosméticas
Anti-séptico em feridas, eczemas, na psoríase e urticária, cicatrizante de pequenas
irritações do couro cabeludo.
Auxiliar no tratamento da caspa e acne. 
Afecções da pele: úlceras crônicas, feridas, psoríase, urticária, dermatose.
É também um excelente anti-rugas.

Denominação química
Copaífera sp oil.

CAS # 8013-97-6

Composição química
A porção resinosa (55-60%) possui ácido copaíbico, ésteres e resinóides. A parte volátil da resina (40-55%) produz óleo essencial que contém ß-cariofileno, a-humuleno, ß-bisaboleno e sesquiterpenos. 
Óleos voláteis: a e ß-cariofileno, ß-bisaboleno, L-cadineno, a-copaeno.  Resinas vegetais: oleoresinas diterpenóides ácido-eperu-8(20)-eno-15, 18 dicarboxílico, ácido 16 ß-kaureno19-carboxílico, ácido copaífero, ácido hardwickiico, ácido copálico.

Obtenção
O óleo de Copaíba é um bálsamo, obtido a partir da extração do óleo existente no interior do tronco da árvore Copaífera sp, através de um processo exclusivo e natural sem o uso de químicos ou solventes. Este processo permite a manutenção das melhores propriedades do fruto para o uso cosmético.

Composição de Ácidos Graxos (%):
Mirístico          Max. 0,08
Palmítico         12,5 – 15,4
Palmitoléico    Max. 0,05
Esteárico        9,2 – 12,7
Oléico             30 - 35
Linoléico         40 - 46
Linoleádico     Max. 0,08
Linolenico       0,07 – 0,10
Arauqinido       Max. 0,05
Gadoléico       0,05 – 0,10
Behénico        0,02 – 0,07


Características Físico-Químicas
Aparência:                            Óleo claro viscoso.
Cor:                                     Amarelo.
Odor:                                  Característico.
Densidade (g/cm³) at 25ºC:   0,900 – 0,930
pH                                      5,0 – 5,4
Ácidos Graxos Livres             Max. 3%                     
Conservantes:                     Não contém.

 

 

English Português